Em família: Saiba como melhorar o diálogo entre pais e filhos

A- Diminuir A+ Aumentar A Tamanho Original

Se tem uma coisa que nos deixa de cabelo em pé é quando percebemos que a relação com nossos pequenos anda meio estremecida, não é mesmo? Nessa hora, sempre vale uma reflexão para avaliarmos, em família, como podemos melhorar o diálogo entre pais e filhos.

Aqui em casa, depois de conversarmos, meu marido e eu criamos algumas estratégias que nos ajudaram bastante com as crianças. Acreditem, fez muita diferença com todos eles, independentemente da idade!

1 – Se coloque no lugar dos pequenos de maneira lúdica:

Pode parecer besteira, mas quando a gente demonstra que, sim, entendemos pelo que eles estão passando, eles percebem que há, além do amor de pai e mãe, uma preocupação maior em compreendê-los e acolhê-los.

Imaginem a cena de vocês vestindo algo igual para simular que entendem a chateação do momento? Claro, não vale ser apenas uma camiseta com a mesma cor, a ideia é que transforme a chateação em alegria e se resolva o problema em família.

2 – Cozinha em ação:

Não sei na casa de vocês, mas uma coisa que tenho gravada na memória é ir à cozinha preparar um bolo com minha avó quando ela me via choramingando pelos cantos.

De fato, a sensação de amor e acolhimento é algo que tenho guardado até hoje. E, espelhado nisso, sempre fazemos isso aqui em casa — e funciona bem com nossos filhos!

O diálogo já começa na hora de separar os ingredientes e só termina na hora da degustação — na maioria das vezes, com aquele sorriso no rosto e calor no coração.

Quando os vejo mais tristonhos e calados ou então nos dias mais contrariados, pra mudar a energia dos sentimentos, já proponho uma tarde na cozinha com o direito de eles escolherem o sabor do bolo. É incrível como a vibe muda na hora em que começamos a bater a massa e a expectativa para comermos o bolo aumenta.

3 – Mude o tom da fala:

Outra coisa que começamos a fazer aqui para melhorar o diálogo entre pais e filhos foi mudar a forma de falar.

Logo, ao invés de sempre “mandarmos”, começamos a perguntar para eles algumas coisas rotineiras. Por exemplo, ao invés de gritarmos: “Todo mundo pro banho já, pessoal!”, podemos sugerir “Que tal todo mundo ir pro banho?”.

Ou também, ao invés de mandarmos “Vão escovar os dentes e dormir agora!”, podemos explicar “Amores, já está chegando a hora de dormir, então vamos começar a escovar os dentes e nos preparar, combinado?”

São mudanças que, no fim, fazem a diferença para todos da casa e não fica aquela sensação de soberania dos adultos.

4 – Demonstre mais afeto:

O mais importante é a demonstração de afeto! Isso mesmo: abraços e beijos ao longo do dia, assim como palavras carinhosas e positivas aleatoriamente só contribuem para uma boa relação em família.

Educar não é fácil, manter a relação tranquila também não, mas com ajustes a gente chega lá da melhor maneira possível, sem culpa e com muito amor!

No fim, além da alegria de um sorriso genuíno no rostinho deles, a gargalhada tirando sarro da gente fecha com chave de ouro!

fale com a ajinomoto